Financiador

A União Europeia em Angola

A União Europeia, representada em Angola desde 1986 via a sua Delegação em Luanda, tem sido o principal doador de fundos ao país. Desde então a União Europeia já investiu cerca de 1.050 milhões de euros no desenvolvimento de Angola, através da implementação de projectos de apoio nos mais diversos sectores de actividade, tendo em conta as necessidades e prioridades das políticas e a estratégia de desenvolvimento do Governo angolano.
A cooperação é implementada através de duas formas principais: a parceria bilateral com o Governo de Angola e o apoio às organizações da sociedade civil.

Angola tem realizado progressos económicos e políticos substanciais desde o fim da guerra, em 2002. No entanto, o país continua a enfrentar desafios de desenvolvimento, que incluem a redução da sua dependência do petróleo e a diversificação da economia; a reconstrução das infra-estruturas; melhorar a capacidade institucional, governança, sistemas de gestão das finanças públicas, indicadores de desenvolvimento humano e as condições de vida da população.

 

1.050€ milhões
Investidos pela UE desde 1986 no desenvolvimento de vários sectores
de actividade 

65€ milhões
Financiamento da União Europeia ao FRESAN para o período de 2018-2025

icon-logo-gray-oppacity

A parceria bilateral entre a União Europeia e Angola assenta em três prioridades

01.

Reforço das capacidades
do Estado

Via a promoção de uma boa governação, da democracia e do estado de direito, incluindo medidas de combate à corrupção, planeamento de recursos e diálogo em torno dos direitos humanos.

02.

Criação de
emprego

Através do apoio de acções que promovam a criação de emprego, encorajem a integração económica regional e melhorem o clima de negócios e de investimento com a Europa.

03.

Diversificação
económica

Mediante o acompanhamento das realizações do Governo de Angola para transformar a economia, torná-la mais resiliente e diversificada, e para ultrapassar a dependência das receitas petrolíferas.

Cooperação para o <b><u>Desenvolvimento</u></b>

Cooperação para o Desenvolvimento

As instituições e os países da União Europeia (UE) são, combinados, os principais doadores mundiais de ajuda ao desenvolvimento e cooperação. Acabar com a pobreza foi sempre o principal objectivo da Cooperação para o Desenvolvimento da UE com os países parceiros em todo o mundo.

A União Europeia quer garantir que os progressos que realiza para satisfazer as necessidades actuais não ocorrem às custas das necessidades das gerações futuras. Neste sentido, a UE propõe legislação e políticas para promover a boa governação e o desenvolvimento humano e económico, como o combate à fome e a preservação dos recursos naturais, com o objectivo de erradicar a pobreza e alcançar um desenvolvimento sustentável.

Em Angola, a União Europeia está a alinhar-se com os objectivos do Governo para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável com enfoque em três prioridades:

As alterações climáticas são um dos desafios globais que aumentam a vulnerabilidade dos países em desenvolvimento, sendo necessárias medidas adicionais, pelo que também são uma prioridade da União Europeia na cooperação para o desenvolvimento

Neste âmbito, o FRESAN – Fortalecimento da Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional em Angola é crucial para mitigar os efeitos da seca nas províncias do Cunene, da Huíla e do Namibe, ao financiar projectos destinados a desenvolver práticas agrícolas adequadas nestas regiões áridas.

Os beneficiários do FRESAN nas comunidades são formados desde em produção hortícola à captação e gestão de água, passando pela educação nutricional, com vista a melhorar a subsistência das famílias camponesas nestas três províncias no Sul de Angola. O programa envolve também acções a nível institucional que permitem reforçar as capacidades dos órgãos públicos, por exemplo, em gestão de desastres. Nestes vários níveis de intervenção, o objectivo é melhorar a saúde das famílias e desenvolver as actividades locais para que, gradualmente, as populações rurais ganhem capacidade para se tornarem mais resilientes e estáveis.