Acções e Progresso

Acesso sustentável a água potável nas zonas rurais da província do Cunene

55 mil

pessoas vão ser abrangidas por este projecto

que visa contribuir para uma maior resiliência das populações rurais ao melhorar a cobertura, a qualidade e a fiabilidade dos serviços de abastecimento de água às populações rurais e periurbanas nos municípios de Cuanhama (comunas de Ondjiva, Evale, Mongua e Oshimolo), Cahama (comuna da Cahama) e Cuvelai (comunas de Mukolongondjo, Mupa e Calonga). Coordenado pelo Camões, I.P., conta com as parcerias da Development Workshop e da Empresa de Água e Saneamento do Cunene.

Adaptação dos Sistemas Agrários para a Melhoria da Segurança Alimentar e Nutricional no Cunene

+1.500 famílias

 já estão a desenvolver actividade agrícola

nas margens dos rios Cunene e Cuvelai, inseridas no projecto de adaptação dos sistemas agrários à melhoria da segurança alimentar. Afectadas pela falta de chuva, estas famílias (repartidas por 30 grupos de camponeses associados) receberam em Março de 2021 enxadas, catanas, motobombas, fertilizantes, sementes de milho, feijão e massango, assim como mandioca e batata-doce para um período de três meses.

30 hectares

com sistema de irrigação gota-a-gota

que permitem aos beneficiários ter uma mínima disponibilidade alimentar). O ano de 2020 foi de experimentação das culturas. Com um período de execução de quatro anos, o projecto conta com 18 escolas de campo no município de Ombadja, e 12 no de Cuvelai (que poderão produzir quatro vezes por ano).

Espera-se, em 2023, a criação de emprego nos campos agrícolas familiares, a melhoria dos meios de subsistência e do estado nutricional, bem como facilitar o desenvolvimento de cadeias de valor agrícola. 

O projecto de cerca de 777 mil euros está a ser executado pela Fundação CODESPA em parceria com a ONG Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP) e o IIA – Instituto de Investigação Agrária do Namibe, em articulação com o Camões, I.P.

Pelo menos 77 comunidades no Sul de Angola já beneficiaram com a criação de escolas agrícolas, apoiadas pela CODESPA/ADPP no âmbito do FRESAN. Além de fornecerem sementes e ferramentas às famílias camponesas, as escolas dão a conhecer os serviços e técnicas a utilizar para atingir uma melhor produção agrícola e pecuária. É um sistema criado para incentivar as famílias a produzirem mais.

gota-gota

Aumento da resiliência das comunidades no Cunene através do acesso a água para fins doméstico e agro-pecuário

60 mil famílias

vulneráveis na província do Cunene

serão abrangidas por este projecto com prazo de execução até Agosto de 2024 e enfoque no acesso à água, promoção de segurança alimentar e nutricional, bem como pequenas iniciativas de transformação e comercialização.
No Cunene, mais de 36 mil pessoas de forma directa (e 350 mil indirecta) nos municípios de Ombadja (comunas de Xangongo, Naulila e Ombala-Yo-Mungo) e Curoca (comunas de Chitado e Oncócua) têm o apoio deste projecto, implementado pela ADPP – Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo com a parceira CODESPA e monitorizado pelo Camões, I.P.

Chitanda: Sistemas de Agricultura Resiliente para a Melhoria da Segurança Alimentar e Nutricional na Huíla

9 escolas de campo

No final de 2020 tinham já sido criadas 9 escolas de campo (seis nas comunas do Cutenda e Quê, no município de Chicomba; três na comuna do Dongo, município da Jamba).

230 mil famílias

A finalidade deste projecto é beneficiar mais de 230 mil famílias ao longo de dois anos e seis meses, principalmente mulheres grávidas, crianças menores de cinco anos, idosos e viúvas.

800 mil euros

Estão a ser aplicados em benefício de pequenos agricultores e horticultores através do Chitanda (que significa “mercado” ou “praça” em umbundo), coordenado pela PIN – People in Need em parceria com a ASD – Acção de Solidariedade e Desenvolvimento, e em articulação com o Camões, I.P. Este investimento tem a componente de nutrição, com a sensibilização das comunidades para a utilização de produtos do campo e consequente dieta alimentar mais nutritiva e resiliente, utilizando novas tecnologias para melhorar a produção; bem como uma vertente de desenvolvimento de mercado que faz a ligação dos pequenos produtores com os mercados do Lubango e outras partes de Angola.

Comunidades Mais Resilientes e Melhor Nutrição para as Mães e as Crianças do Cunene

33 técnicos e 120 agentes

comunitários vão contribuir para fortalecer 

a resiliência das mães e crianças na província do Cunene. Tal será conseguido através da melhoria do estado nutricional ao promover a adopção de boas práticas nutricionais e higiénico-sanitárias a nível comunitário e, em particular, entre as mulheres grávidas e crianças nos 237.811 habitantes da província. Com implementação da CUAMM – Médicos com África e os parceiros Direcção Municipal de Saúde de Ombadja, Gabinete Provincial de Saúde e a Diocese de Ondjiva, é coordenado pelo Camões, I.P.

Ekevelo - Esperança na Resiliência: Reforço da Segurança Alimentar e Nutricional das Comunidades no Município do Virei

Cerca de 2.250 pessoas

de 150 agregados familiares

do município do Virei, província do Namibe, são abrangidas pelo projecto Ekevelo, entre Fevereiro de 2020 e Agosto de 2022. O objectivo é fortalecer a resiliência de quatro comunidades agro-pecuárias afectadas pela seca através do reforço dos seus meios de subsistência, da melhoria das competências técnicas e do trabalho em parceria com as autoridades locais (entre dirigentes e técnicos de instituições públicas), bem como com dirigentes, técnicos e voluntários de ONG (organizações não governamentais) locais.

Tal envolve criar uma equipa multissectorial de Resiliência e Segurança Alimentar do município do Virei composta por 15 pessoas das autoridades locais e reforçar as capacidades de 70 técnicos e representantes das instituições públicas municipais e provinciais e de organizações da sociedade civil no Namibe.

O montante investido de 699.685,86 euros permite o reforço de insumos, equipamentos e materiais técnicos de apoio à produção agro-pecuária, com maior envolvimento comunitário, e fortalecer as competências das comunidades e instituições públicas do município. Implementado pela FEC – Fundação Fé e Cooperação, com parcerias da Cáritas Angola, CRS – Catholic Relief Services, Instituto Superior Politécnico de Tundavala, Veterinários sem Fronteiras, conta com a coordenação do Camões, I.P.

Fortalecer a resiliência
de famílias vulneráveis na Huíla

15 mil pessoas

nos municípios de Quilengues, Chicomba e Humpata

na província da Huíla, estão a beneficiar com um programa de fortalecimento da resiliência de famílias vulneráveis até Setembro de 2023 (32 meses). 

A iniciativa no valor de 1.836,368 euros envolve 70 técnicos das administrações estatais, 250 agentes de desenvolvimento comunitário, sanitário e de saúde, activistas e líderes locais. Indirectamente, 94 mil pessoas vão ser beneficiadas.

Baseia-se na reabilitação e construção de infra-estruturas comunitárias de recolha e distribuição de água para consumo, irrigação e abeberamento do gado; bem como na melhoria da protecção de fontes de água, ou em incentivar a produção agro-pecuária diversificada com base nas necessidades nutricionais e condições agro-ecológicas. 

O projecto é implementado pela World Vision International em parceria com o Fundo de Apoio Social (FAS) e a Associação para o Desenvolvimento e Enquadramento Social de Populações Vulneráveis (ADESPO), em articulação com o Camões, I.P.

PARMES - Projecto de Apoio à Resiliência para Mitigação dos Efeitos da Seca

25 cisternas

com capacidade para armazenar 62 mil litros de água cada

começaram a ser construídas na segunda metade de 2020 nos municípios dos Gambos (17 cisternas) e da Humpata (8 cisternas), na província da Huíla.

No total, 100 cisternas de calçadão com uma capacidade de cerca de 60 mil litros cada vão ser construídas até 2023 nos Gambos (84 cisternas) e na Humpata (16 cisternas) no âmbito do PARMES. Em época de seca, uma cisterna de água potável pode ajudar uma família (com um agregado de seis a oito pessoas) durante três a quatro meses.

Além da construção dos reservatórios de água, o projecto tem uma componente agrícola, com a cedência de plantas e sementes aos habitantes locais para desenvolverem agricultura para subsistência. Coordenado pelo Camões, I.P., com implementação da NCA – Norwegian Church Aid (Ajuda da Igreja Norueguesa) em parceria com a ADRA – Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente, tem um orçamento de 1.499.983,00 euros e abrange 2.888 associados (dos quais 1.732 são mulheres).

TransÁgua: valorização das boas práticas dos pastores transumantes em gestão dos recursos hídricos e adaptação às mudanças climáticas

Cerca de 19 mil famílias

vão beneficiar de forma indirecta

com este projecto na província do Namibe, mais precisamente, nos municípios de Virei (comunas Virei, Tchicueya, Sayona) e Bibala (comuna Lola – Tchitemo, Mahum bamena, Tutu e Panguelo; comuna Capangombe – Munhiino, Nascente, Bombo, Chicolongilo).

De forma directa, são abrangidos 400 homens, 400 mulheres e 200 jovens. A finalidade é contribuir para reduzir a fome, pobreza e vulnerabilidade, a insegurança alimentar e nutricional, através do reforço da gestão dos recursos de água, terra e animais nas áreas pastoris do Namibe.

A entidade implementadora é o COSPE, com os parceiros IDF – Instituto do Desenvolvimento Florestal do Namibe; ACC – Associação Construindo Comunidades; a Associação Ovatumbi de Criadores Tradicionais de Gado; e o DAGRI (Dipartimento di Scienze e Tecnologie Agrarie, Alimentari Ambientali e Forestali) Universidade de Florença. A coordenação está a cargo do Camões, I.P.

Fortalecimento das Estruturas e Capacidades Institucionais de Gestão de Risco de Desastres

3,4 milhões de euros

foram doados pela União Europeia

no final de 2019 para reforçar a gestão de risco de desastres nas províncias do Sul de Angola atingidas por uma seca severa. Com a duração de quatro anos, até 2023, o projecto promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) visa apoiar as instituições responsáveis pela gestão de risco de desastres nas províncias do Cunene, da Huíla e do Namibe, capacitando a protecção civil com equipamento e formação. Só durante o ano de 2019 o Governo angolano prestou, com o apoio dos seus parceiros, assistência a mais de 2 milhões de pessoas para mitigar os efeitos da seca.