FRESAN apoia vacinação de 1.410.200 bovinos no Sul de Angola

A campanha é apoiada pelo Programa FRESAN, co-gerido pelo Camões I.P. e financiado pela União Europeia, através da aquisição de equipamentos para o armazenamento e conservação das vacinas de forma a garantir uma rede de frio que permita salvaguardar as características iniciais para assegurar a imunidade. A campanha, liderada pelo Instituto de Serviços de Veterinária (ISV), visa desta forma melhorar a sanidade animal no Sul de Angola através da irradicação das principais doenças transfronteiriças.

A garantia de uma Rede de Frio que permita o transporte e manuseamento adequado das vacinas em condições que salvaguardem a qualidade e eficácia imunobiológica, uma vez que são produtos sensíveis a variações de temperaturas inadequadas à sua conservação, foi o desafio identificado pelo Programa FRESAN, em articulação com os Serviços de Veterinária provinciais.

Identificada a necessidade, procedeu-se à análise do circuito, considerando o armazenamento nas instalações do ISV de cada província, os equipamentos disponíveis ao nível do armazenamento municipal e finalmente os equipamentos para o transporte e conservação durante o acto de vacinação nas mangas. Neste sentido, o Programa FRESAN, reforçou a campanha através da aquisição de equipamentos que garantam o armazenamento e conservação de vacinas, nomeadamente 2 câmaras de frio de 20 pés, a distribuição de 32 arcas frigoríficas e 64 garrafas de gás para a conservação ao nível municipal, 46 caixas térmicas de 15L e 11 de 26l, para as brigadas de vacinadores transportarem as vacinas para as mangas, 257 fatos de trabalho para tratadores de gado,  reparação de 3 câmaras frigoríficas para armazenamento provincial e manutenção de  10 viaturas da frota do ISV e 88 acumuladores. Estão envolvidos 50 Técnicos do ISV e 328 tratadores de gado eleitos pelas comunidades, capacitados para prestar serviços de apoio ao ISV para a realização da campanha de vacinação.

O programa FRESAN, co-gerido pelo Camões I.P. e financiado pela União Europeia reconhece, desta forma, que o aumento da produção interna de proteína animal depende em grande medida de programas profiláticos de prevenção do surgimento de doenças, sendo a vacinação dos efetivos bovinos pertencentes aos pastores familiares de particular importância para a promoção da segurança alimentar. A campanha de vacinação obrigatória abarca quatro doenças endémicas no efetivo bovino do país: peripneumonia contagiosa dos bovinos, carbúnculo hemático, carbúnculo sintomático e dermatite nodular.

O apoio à Campanha de Vacinação Bovina 2021 ronda os 59 mil euros, prevendo-se a vacinação de 200.000 bovinos na província do Namibe, 650.000 na província do Cunene e 560.200 na província da Huíla. No Namibe terá a duração de 60 dias, na Huíla de 90 dias e no Cunene de 90 dias. A campanha de vacinação foi já iniciada na província do Huíla no dia 17 de Março e no Namibe no dia 30 de Abril, terá a duração de 90 dias e 60 dias respectivamente. No Cunene a Campanha será iniciada no dia 26 de Maio e terá a duração de 90 dias.

A União Europeia financia o Programa FRESAN – Fortalecimento da Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional em Angola com 65 milhões de euros entre 2018 e 2024. Esta é uma iniciativa conjunta com o Governo angolano para reduzir a fome, pobreza e vulnerabilidade das comunidades afectadas pela seca nas províncias do Cunene, da Huíla e do Namibe, no Sul de Angola. Ao longo de mais de 30 anos de cooperação, a União Europeia manteve-se o maior doador em Angola e apoia o desenvolvimento do país através do financiamento de projectos nos mais diversos sectores de actividade. O combate à pobreza e a protecção do meio ambiente são prioridades da União Europeia na cooperação com os países terceiros.

O FRESAN é uma iniciativa do Governo de Angola, financiada pela União Europeia, co-gerida pelo Camões, IP. Pretende contribuir para a redução da fome, pobreza e vulnerabilidade à insegurança alimentar e nutricional no Cunene, Huíla e Namibe, sobretudo através do reforço da resiliência e produção agrícola familiar sustentável, da melhoria da situação nutricional das famílias e apoio ao desenvolvimento de capacidades nas instituições.

Fonte: Factos Diários (01/06/2021)