Problema da seca no Curoca passa pela reabilitação de represas

Curoca – A reabilitação de represas de pequeno porte, construídas nos anos 60 nas comunas de Oncócua e Chitado, município do Curoca, província do Cunene, pode ser a solução para resolver o problema da seca nesta municipalidade. Algumas serão reabilitadas e outras construídas, para o aproveitamento da água dos rios intermitentes que desaguam no Rio Cunene.

O município do Curoca, 340 quilómetros da cidade de Ondjiva, conta com 14 represas catalogadas pela Administração Municipal, quatro das quais serão reabilitadas pelo Fortalecimento de Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional (FRESAN) e uma pelo Fundo de Apoio Social (FAS).

Em declarações à Angop, no final dos trabalhos de dois dias no município, o director-geral do Instituto Nacional dos Recursos Hídricos (INRH), Manuel Quintino, disse que o melhoramento das represas deve ser prioridade para suprir as necessidades de água no Curoca.

Acredita que a reabilitação e construção destes empreendimentos são soluções imediatas e de baixo custo para garantir as condições mínimas de acesso ao líquido à população.

Disse que o objectivo é armazenar quantidades de água suficientes para abastecimento a população, do gado, prática da agricultura, bem como para a recarga do lençol freático, para que exista uma reserva hídrica.

Afirmou que na povoação de Ombua, na comuna de Oncócua, existem três represas de alvenaria e pedra, sendo que uma carece de nova construção por estar completamente destruída e as duas irão necessitar de alfamento e desassoreamento por ficarem décadas de anos sem manutenção.

Já na comuna do Chitado, constatou-se a existência de cinco represas que estão completamente assoreadas e que carecem de uma nova construção.

De acordo com o responsável, ainda na comuna de Oncócua há uma cascata ao longo do rio Ondambo, com cinco escalões, sendo que o quarto escalão foi destruído pelas águas e está ser reabilitado com os fundos do FRESAN, e uma outra represa pelo FAS.

Fez saber que o Instituto Nacional de Recursos Hídricos irá elaborar os Termos de Referência e a documentação para propor ao Ministério da Energia e Água, o lançamento de um concurso público para reabilitação e construção dos empreendimentos de aproveitamento de água.

Por outro lado, Manuel Quintino disse que a ideia de captar água a partir do Monte Negro pode ser uma solução de longo prazo e que envolve custos elevados, dai a solução imediata passar pela reabilitação das represas.

Represa é uma barreira artificial, feita em cursos de água para a retenção de grandes quantidades de líquido. A solução é utilizada para o abastecimento de água de zonas residenciais, agrícolas e industriais.

O município do Curoca é o mais afectado pela seca na província do Cunene, obrigando centenas de pessoas e animais a abandonar a região em direcção aos municípios da Cahama, Ombadja e Cuvelai, bem como para a vizinha República da Namíbia, a procura de condições de subsistência.

Com uma extensão de 7.998 quilómetros quadrados, o município do Curoca tem duas comunas, 25 aldeias e 41 mil e 989 habitantes, que se dedicam, principalmente, à agropecuária.

Algumas serão reabilitadas e outras construídas, para o aproveitamento da água dos rios intermitentes que desaguam no Rio Cunene. O município do Curoca, 340 quilómetros da cidade de Ondjiva, conta com 14 represas catalogadas pela Administração Municipal, quatro das quais serão reabilitadas pelo Fortalecimento de Resiliência e da Segurança Alimentar e Nutricional (FRESAN) e uma pelo Fundo de Apoio Social (FAS). Em declarações à Angop, no final dos trabalhos de dois dias no município, o director-geral do Instituto Nacional dos Recursos Hídricos (INRH), Manuel Quintino, disse que o melhoramento das represas deve ser prioridade para suprir as necessidades de água no Curoca.

Acredita que a reabilitação e construção destes empreendimentos são soluções imediatas e de baixo custo para garantir as condições mínimas de acesso ao líquido à população. Disse que o objectivo é armazenar quantidades de água suficientes para abastecimento a população, do gado, prática da agricultura, bem como para a recarga do lençol freático, para que exista uma reserva hídrica. Afirmou que na povoação de Ombua, na comuna de Oncócua, existem três represas de alvenaria e pedra, sendo que uma carece de nova construção por estar completamente destruída e as duas irão necessitar de alfamento e desassoreamento por ficarem décadas de anos sem manutenção.

Já na comuna do Chitado, constatou-se a existência de cinco represas que estão completamente assoreadas e que carecem de uma nova construção. De acordo com o responsável, ainda na comuna de Oncócua há uma cascata ao longo do rio Ondambo, com cinco escalões, sendo que o quarto escalão foi destruído pelas águas e está ser reabilitado com os fundos do FRESAN, e uma outra represa pelo FAS. Fez saber que o Instituto Nacional de Recursos Hídricos irá elaborar os Termos de Referência e a documentação para propor ao Ministério da Energia e Água, o lançamento de um concurso público para reabilitação e construção dos empreendimentos de aproveitamento de água.

Por outro lado, Manuel Quintino disse que a ideia de captar água a partir do Monte Negro pode ser uma solução de longo prazo e que envolve custos elevados, dai a solução imediata passar pela reabilitação das represas. Represa é uma barreira artificial, feita em cursos de água para a retenção de grandes quantidades de líquido. A solução é utilizada para o abastecimento de água de zonas residenciais, agrícolas e industriais. O município do Curoca é o mais afectado pela seca na província do Cunene, obrigando centenas de pessoas e animais a abandonar a região em direcção aos municípios da Cahama, Ombadja e Cuvelai, bem como para a vizinha República da Namíbia, a procura de condições de subsistência. Com uma extensão de 7.998 quilómetros quadrados, o município do Curoca tem duas comunas, 25 aldeias e 41 mil e 989 habitantes, que se dedicam, principalmente, à agropecuária.

Fonte: Angop (28/05/2021)